sexta-feira, 27 de abril de 2018

Sobre o desprezo...

Talvez uma das sensações mais doloridas para o ser humano seja o desprezo. Sentir que alguém, de maneira voluntária deseja mostrar a você o quanto você é insignificante é algo que é muito doloroso e praticamente todos já passaram por isso em algum momento de suas vidas.



Existe uma diferença entre ser rejeitado e ser desprezado. A rejeição não envolve juízo de valores, já o desprezo sim. É como se na rejeição a pessoa dissesse: “não te quero”, enquanto no desprezo ela diz: “você não é bom, você é desprezível”. O segundo não envolve apenas uma recusa como também torna aquilo que é recusado alvo de ser, também, inferior. Desta maneira o desprezo não cria apenas um limite – como na rejeição – cria, mas precisamente, uma exclusão e por esta razão é tão doloroso: não basta apenas saber que não me querem, mas que não me querem porque não sou bom o suficiente, porque, na verdade, sou “execrável”.

Porém  o desprezo tem sempre dois lados: quem despreza e quem é desprezado. Assim fica a pergunta: como quem é desprezado reage ao desprezo? No caso acima coloquei algo muito comum: a pessoa que “precisa” ser amada pelos outros. Este tipo de estrutura sempre sofre muito com o desprezo e o pior: em geral se apega à pessoas, situações, empregos que o desprezam. Porque? Porque estes “não a amam” e ela “precisa” fazer com que a amem. Parece complicado? E é! Além de ser complicado gera um monte de dor desnecessária.

Em geral quando sofremos por causa do desprezo é porque estamos presos na armadilha de precisar da valorização do outro, desta maneira quando somos desprezados sentimos que nosso maior medo está se tornando realidade e, portanto, devemos fazer todo o possível para evitar isso e é com esta decisão que acabamos presos numa armadilha dolorosa.

O trabalho para livrar-se dessa armadilha é questionar a necessidade do amor do outro – claro que é bom, mas até que ponto ele vale à pena? Ser desprezado é algo que parte de quem faz o julgamento, portanto, não é um problema de quem é desprezado: a pessoa que despreza é quem julga a outra, porém isso é, nada mais, nada a menos do que uma opinião dela. Compreender isso nos ajuda a colocar o desprezo sob perspectiva. Em geral as pessoas que lidam bem com o desprezo assumem simplesmente que aquela relação “não é para elas” ou, que com os critérios utilizados elas não tem o que fazer naquela relação. Elas não assumem que são desprezáveis apenas porque o outro as desprezou. Assumem a exclusão, porém não assumem o “papel” de desprezado. Com isso se entristecem por perderem algo que querem – a relação – porém não se deprimem por acharem-se desprezíveis.

Esta é a grande sacada: quando a pessoa se coloca no papel de desprezada é que o desprezo assume o seu valor mais destrutivo. É quando a exclusão criada arbitrariamente finalmente encontra seu lugar dentro de quem foi desprezado. Em geral a baixa auto estima é o que permite que a pessoa se identifique com este papel que lhe “oferecem”.

(https://akimneto.wordpress.com)

Por que os homens somem? ¬_¬

Você conhece um homem, os dois têm uma química excelente e tudo está indo na direção certa. E então, poof! Ele simplesmente desaparece da sua vida. É como se ele tivesse sido levado para o programa de proteção de testemunhas. Você não tem ideia do que aconteceu, ele não entra mais em contato com você e até passa pela sua cabeça que ele pode ter sofrido um acidente. Depois de muitos telefonemas e mensagens não respondidas, você finalmente se dá conta que ele simplesmente foi embora, virou um fantasma da sua vida. O que resta de toda essa experiência são as dúvidas. Afinal, o que pode ter dado errado? Hoje eu vou te dar algumas respostas: descubra por que os homens somem.


Como acontece?
Vocês tiveram momentos apaixonantes juntos. Ele disse que tudo foi ótimo, que foram momentos inesquecíveis, que você é linda, inteligente, sexy e incrível, e ele vai ligar para você em breve. E você espera por esse telefonema. Uma semana passa, duas … Começou a pensar: “Será que a culpa é minha?”, “será que ele tem algum problema?”.

O melhor conselho que eu posso te dar nesses casos é para esquecer esse cara, mas eu sei como a dúvida corrói. Você vai ficar se perguntando por que, de repente, ele te abandonou? O que eu posso te adiantar é que na maioria das vezes não tem nada a ver com você. Às vezes, você pode ter feito ou dito algo que o assustou. O sumiço pode ter vários motivos.Você pode ter dito ou feito algo que apagou fez com que ele perdesse o encanto. Então, aqui estão os principais razões por que os homens somem:

Um ou dois encontros não significam um relacionamento
Só porque você sentiu uma grande atração por um homem não significa que vocês estão em um relacionamento. Foi apenas isso: bons encontros. Mesmo que vocês tenham dormido juntos, isso não significa que ele quer estar em um relacionamento com você. Significa apenas que ele dormiu com você. Muitas vezes você pode estar criando expectativas em algo que não passou de momentos divertidos.


Ele não está emocionalmente disponível
Ele está separado por dois anos e acha que está pronto para se comprometer com uma outra pessoa, mas não está. Ele compara todas as mulheres com sua ex-esposa, ou seja, ele não está pronto para um novo relacionamento, mas ele ainda não sabe disso.


Ele é um jogador
Todos conhecemos homens que são bons em colecionar mulheres. Com seu jeito encantador, ele descobre um padrão que faz as mulheres caírem a seus pés. Isso não os torna necessariamente uma pessoa ruim. Para esses homens amor, família e compromisso não são atraentes.

O pior nestes casos é que o homem não se contenta com apenas sexo. Ele quer que a mulher fique envolvida emocionalmente e quando ela finalmente cede e se mostra apaixonada, eles saem de cena e partem para outra. Para eles o que vale é a emoção da caçada.


Ele desencantou
Provavelmente já aconteceu com você. Conheceu um cara legal, mas depois de um encontro, ou até uma transa, desencantou. Acontece, é a vida. Ninguém pode agradar a todos. E se não rolou com esse, não significa que não vai rolar com o próximo. Pare de se criticar e acreditar que você é feia, desinteressante ou qualquer coisa do tipo. Vocês apenas não combinaram. Por isso, esqueça esse cara e bola pra frente. Tem muitos outros caras que podem apreciar seus encantos.


Você o assustou
Se você anda insegura demais, com a autoestima baixa demais, carente demais, pode estar assustando os homens! Ele pode ter até ter chegado com boas intenções, querendo conhecer melhor você, mas você já ficou ansiosa e quis pular várias etapas. Não para de ligar, mandar mensagem, fazer perguntas, desconfiar, cobrar… O cara provavelmente se assustou e achou que um relacionamento com você provavelmente seria uma cilada.


Ele achava que era amor, mas era paixão
Ele não mentiu sobre os sentimentos, realmente passou ótimos momentos com você, mas depois de um tempo ele percebeu que todos aqueles sentimentos não passavam de desejo, de uma forte paixão. Não fica nada, apenas a vontade de sumir o mais rápido possível.

Pode parecer cruel, mas acredite, é mais comum do que você imagina. Apesar de acusar as mulheres de serem altamente emocionais, os homens costumam apressar algumas coisas e costumam confundir uma forte atração com amor. Porém, da mesma forma que se apaixonou, perde o interesse.


Ele não está pronto
A verdade é que muitos homens simplesmente não estão prontos para um relacionamento. Talvez seja por causa de sua carreira, talvez porque eles ainda não desejam o casamento, ou talvez simplesmente porque eles querem aproveitar a vida antes de se estabelecerem.

O motivo não importa. Tudo o que importa é que ele simplesmente não está pronto. Então, decide namorar as mulheres por um tempo, fica cada vez mais perto delas, mas, no fundo, ele não quer nada sério.


Ele só quer sexo!
Sim, existem homens que agem como verdadeiros príncipes com o único objetivo de levar as mulheres para a cama. E quando conseguem, desaparecem. Ou aparecem somente quando querem repetir a dose. Triste, mas é verdade. Não tem nada a ver com você. Fique com a boa lembrança e parta para a próxima tentativa de encontrar um cara para além de uma noite. Aprenda com essa experiência e não guarde rancores. Dessa forma, você  já estará sendo uma mulher bem mais segura e atraente.


Outros motivos
Ele voltou com uma ex, ele é um sociopata, ele tem uma esposa secreta e filhos que ele não contou, ele tem problemas não resolvidos com seu passado, quem sabe? E quer saber? Quem se importa?

Não é seu trabalho ficar imaginando a razão pela qual alguém desapareceu. O fato é que não podemos controlar e prever a mudança de comportamentos de cada pessoa.

A melhor coisa que você pode fazer é sair dessas situações mais consciente de si, mais certa do que você quer e com seu senso de otimismo e confiança inabaláveis. Perder um cara que não quer você não é um desastre, perder-se ao longo do caminho é.



Explicação
Você pode dizer : “Todos esses motivos estão ok. Eu só quero o mínimo de educação de uma ligação ou mensagem me dizendo o motivo do sumiço”. Porém, você precisa pensar que essa explicação depende do grau de envolvimento de vocês. Se vocês saíram para alguns poucos encontros, talvez, na cabeça dele, não fosse necessária nenhuma explicação. Todos nós somos adultos aqui. Se vocês saíram umas duas vezes para jantar, ele realmente precisa escrever um longo texto explicando as razões dele?

No entanto, se os dois já estavam em um relacionamento há pelo menos algum tempo, você merecia sim uma explicação. Mas, pelo visto, esse cara é de uma imaturidade incrível e não tem coragem de enfrentar um problema de frente. Nesses casos, acredite, veja o desaparecimento dele como um livramento.


Veja o lado bom
Agora que você já viu os motivos por que os homens somem e conseguiu ter uma visão mais objetiva da situação, veja o lado bom de tudo isso. Talvez esse cara, que você achava que estava tão apaixonada, iria te fazer sofrer muito em um futuro próximo. Por isso, considere um sumiço dele uma benção, veja como um presente de Natal antecipado. Imagine como seria ruim investir em um relacionamento com alguém que não é confiável e que não consegue encarar um problema. Pode parecer clichê, mas nestes casos, use aquele ditado: “antes só do que mal acompanhada”. Você merece muito mais. Então, use sua autoconfiança e busque alguém que realmente te merece.


(http://www.mulheresbemresolvidas.com.br)

segunda-feira, 9 de abril de 2018

De repente aquela pessoa que falava contigo o tempo todo, insistia em puxar assunto e mandava emojis fofos sempre que podia te ignora completamente... Responde apenas o que pergunta via What's e na primeira oportunidade te deixa no vácuo... É... as pessoas mudam quando perdem o interesse, só não percebe quem não quer!

Pra que conversar com a pessoa se ignorar é mais fácil? O desprezo é a melhor saída, mas talvez a mais difícil para quem receba, mais ainda se for em doses homeopáticas...


terça-feira, 3 de abril de 2018

Terminar é mais difícil para eles (azar o deles)

O senso comum de que mulheres buscam um relacionamento estável de forma mais incisiva do que os homens também diz que, na hora de terminar esse relacionamento, elas também são mais diretas. “De maneira geral, as mulheres quando querem terminar um relacionamento têm mais facilidade de deixar isso bem claro para o parceiro. O homem prefere enrolar ou provocar a mulher até que ela tome a atitude por ele”, afirma a psicanalista Ana Claudia Ferreira de Oliveira.
Mas o que leva alguém que não quer mais estar em um relacionamento a preferir sabotá-lo a conversar sobre o fim? “Talvez haja uma diferença porque o homem não lida bem com os seus sentimentos de dependência e tem esse papel de ser o provedor, o que cuida. Ele pode subestimar as mulheres e por razões suas considerá-las frágeis”, diz o psiquiatra Márcio Pinheiro. “Eles querem sempre agradar as mulheres na tentativa de `saírem bem na foto´ com todas, e evitarem ter que lidar com os sentimentos despertados na mulher pelo término da relação”, avalia Ana Claudia.
Quem ajudou a arquiteta Júlia Barros a entender que seu namorado estava usando todas as armas – menos a conversa – para terminar o romance foi a amiga e também arquiteta Renata Mendes. “Isso já me aconteceu tanto que me considero especialista no assunto”, diz. Como “expert”, a amiga de Júlia diz o que os homens podem fazer de pior nessa situação: “O mais humilhante é alguém com quem você dividiu sua vida simplesmente desaparecer. Deixar de atender ligações, de te procurar. É uma grosseria e machuca muito. Mas é bem comum”.
Apesar de ser doloroso e pouco respeitoso, o método de “implosão” do relacionamento adotado por muitos homens acaba dando o recado mais cedo ou mais tarde. “No fundo nós sempre sabemos ou sentimos quando somos queridas ou desejadas, mas muitas vezes temos medo de encarar isso e tomar a atitude de romper com aquele relacionamento”, diz a psicanalista Ana Cláudia. Ou seja, a parceira acaba percebendo e o relacionamento uma hora acaba. Mas o custo emocional é altíssimo. A falta de clareza e honestidade nos relacionamentos pode comprometer também a parte boa. “Quem está sendo rejeitado sempre sabe. O perigo é a pessoa por razões pessoais se sentir rejeitada quando isso não está acontecendo. Ou pior: provocar a rejeição”, afirma o psiquiatra Márcio Pinheiro.
(http://www.portaltudoaqui.com.br)

terça-feira, 13 de março de 2018

Como agir quando ele some?

(Para mim, independente do que esteja acontecendo com ele, a razão é única: ele perdeu o interesse e viu no sumiço o caminho mais curto para lhe dar o pé na bunda!) ¬_¬

As relações entre homens e mulheres nem sempre são fáceis e isso se deve a uma série de questões, que nem sempre são claras para ambos os sexos. Uma reclamação recorrente do público feminino são as desaparecidas que os homens costumam dar, inclusive, no início da relação.

1- Quando você está saindo com um homem que, sem explicações, desaparece é normal que surjam várias dúvidas: será que aconteceu alguma coisa? Será que ele está bem? Ou será que ele não quer mais me ver? Todas essas perguntas podem ter uma resposta positiva, vai depender do que está acontecendo, mas a mulher nem sempre tem como saber e, nessa hora, surge outro questionamento: o que fazer?

2 - Existem diferentes maneiras de agir quando ele some, como se preocupar, se desesperar, ficar ansiosa ou chateada, mas a melhor entre elas é não fazer nada. Em muitos casos, desaparecer é uma forma do homem mostrar que não está mais interessado em uma mulher, pois nem todos sabem lidar com essa situação de forma diferente. Existem mulheres que também agem assim quando querem dar um “chega prá lá em alguém”. Nesse caso, não há o que fazer, a não ser que você esteja completamente apaixonada por ele e tem certeza que vale a pena investir na relação. Mesmo assim, é aconselhado esperar alguns dias antes de se manifestar.

3 - A dúvida sobre o que fazer quando o homem com quem está saindo some incomoda mais quando estava indo tudo muito bem entre vocês. Se a relação estava tranquila e se encaminhando para um futuro promissor e, de repente, ele desaparece, pode até ser motivo de preocupação. Mas também vale a pena pensar um pouco sobre o comportamento do sexo masculino. Embora cada um seja único e não se possa generalizar, existem muitos homens que possuem dificuldade em se envolver em um relacionamento mais série e, quando percebem que é isso o que está acontecendo, sumir pode ser a maneira que ele tem de fugir da situação, pois não sabe encará-la de frente.

4 - Caso você esteja preocupada com o desaparecimento dele, ainda mais se você ligou ou mandou mensagem e ele não respondeu depois de algum tempo, uma dica é falar com alguém que costuma vê-lo com frequência. Você pode ligar para o seu trabalho e perguntar se fulano foi trabalhar, mas sem se identificar ou perguntar a algum colega de faculdade, porém, sem deixar transparecer a sua preocupação. Caso ele esteja indo ao trabalho e aos estudos normalmente é um indício de que ele está bem e que é melhor para você começar a esquecê-lo.

5 - Outra característica associada ao sexo masculino é a dificuldade em lidar com duas situações ao mesmo tempo. Digamos que ele esteja passando por um problema pessoal, desaparecer pode ser a forma que ele encontrou para conseguir resolver o que está o atrapalhando. Independente do que fez ele sumir, cabe apenas a você decidir se deseja ou não manter a relação com ele, quando e se voltar.

Fonte - https://relacoes.umcomo.com.br

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Vale a pena refletir...

Nós, em geral, achamo-nos importantes. Ao longo da vida, criamos bons relacionamentos, estudamos bastante, tentamos ser funcionários exemplares, auxiliamos algumas pessoas, fazemos algum trabalho voluntário, namoramos, casamos, criamos nossos filhos. A vida parece ser bem ativa.

Ao fazer isso tudo, é normal nos acharmos importantes, pensar que o que fazemos é primordial, que a vida de algumas pessoas depende de nós, que sem nós muitas coisas não aconteceriam, que aquele trabalho só é bem feito porque o fazemos, e por aí vai.

Só que o tempo vai passando e você se dá conta de que aquele trabalho que só você fazia pode ser também realizado por outro. Nas suas férias, você é substituído. Talvez a empresa não precise mais de você por alguma razão. Aí você percebe que  não é assim tão importante.

Aquelas pessoas que dependiam de você de certa forma estão se virando, ganhando maturidade e crescendo. Seus pais, seus irmãos, seus filhos e seus parentes têm a vida deles e tudo acontece sem que você tenha que fazer muita coisa ou dar algum suporte. Aí você percebe que não é assim tão importante.

Muitas vezes, buscamos status, dinheiro e poder, visando satisfazer nossa necessidade de sermos importantes. Caímos nas histórias de que várias pessoas dependem de nós, que somos “chefes” e que fazemos algo realmente importante para todos. Nós pensamos que somos imprescindíveis.

Aquela pessoa que dizia que o amava tanto  e que, muitas vezes, exigia amor, proteção, segurança, carinho, conversa, passeios e encontros, já nem liga mais. Não deseja mais bom dia, não pergunta se você está bem e não se preocupa  com você como antes. Aí você percebe que  não é assim tão importante.

Tem aquela pessoa que lhe despertou interesse, que você tinha pensado em conhecer melhor, que você talvez tenha sentido alguma conexão e que tenha resolvido se importar com ela. Você decidiu dar o seu melhor na tentativa de também ser importante; só que então se dá conta de que nada daquilo aconteceu. Aí você percebe que não é assim tão importante.

Você, às vezes, não é autêntico e não faz o que quer, com medo do que os outros vão pensar sobre isso. Você quer ser um exemplo, não quer magoar ninguém e nem que os outros pensem algo errado de você. Só que o outro está ocupado, vivendo, realizando suas tarefas e pensando em si – sem ligar muito para você. Aí você percebe que não é assim tão importante.

Você cuida do seu corpo, compra as melhores roupas, quer estar sempre bonito(a), procura conforto e faz inúmeros planos. Daí se dá conta de que o seu corpo pode falhar a qualquer momento, que a qualquer hora ele poderá deixá-lo e se dá conta de que ele tem um período de validade. Aí você percebe que não é assim tão importante.

Você para e olha para o universo à sua volta. Vê a imensidão do mar, perde-se no infinito do céu, aquece-se com o sol, para tudo para olhar a lua e aquela estrela - que você não fazia ideia de que estava por ali. Você repara na grandiosidade da criação. Aí você percebe que não é assim tão importante.

A água e tudo o  que vem dela nos dá vida, o sol e tudo o que vem dele nos dá vida, a terra e tudo o que vem dela nos dá vida e o ar e tudo o que está nele nos dá vida. Como nós poderíamos ser mais importantes que qualquer criação? Perceba o tempo de vida de um planeta, de uma estrela, ou mesmo de uma árvore, e constate que eles duram muito mais do que nós (até uma tartaruga dura mais que você). Nós “apenas” existimos, não somos autossuficientes. Nós dependemos de tudo que está à nossa volta. Aí você percebe que não é assim tão importante.

Não confunda importância com valor. Nós temos valor, entretanto, comparados com tudo o que existe, nós não temos tanta importância. Ao apagar das luzes, vamos ganhar um espaço de terra e recordações nas fotos e memórias de algumas pessoas (que um dia também irão partir).

A nossa importância tem a ver com as nossas expectativas em relação à demonstração de amor das outras pessoas. É necessário lembrarmos que as pessoas nos amam, mas, muitas vezes, não sabem demonstrar bem isso e que, de fato, existe uma ligação de amor entre todos nós, independentemente de qualquer coisa. Isso é universal. Isso é eterno. Isso é divino.

Quando você sente que pertence, não tem necessidade de ser importante.

Então, por hoje, podemos perceber que não somos tão importantes assim.

“Toda a evolução do homem é de ser alguém para ser ninguém e de ser ninguém para ser todos“ — Sri Sri Ravi Shankar

(http://www.contioutra.com)

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Os móveis e complementos decorativos de carácter retrô, se inspiram em peças do estilo dos anos 50, 60 e 70 e se encaixam a perfeição em casas que seguem uma linha moderna, descontraída e longe do convencional.

O estilo retrô está sempre associado ao uso de cores vibrantes e móveis com formatos totalmente atípico. O estilo retrô também é chamado de “estilo vintage“.

Para dar um toque retrô na sua casa é muito simples. Como comenta Sophie Dar der, ” …é um estilo exclusivo, personalizado, cálido, acolhedor, lúdico, autêntico e original.”  E para dar esse toque, ela nos aconselha:

- Colocar  mesa e cadeira com o pé em forma de tulipa,
- Pufs de cores vibrantes
 - Papel de parede e tapetes psicodélicos

Mas.. nunca devemos exagerar na quantidade de objetos retrô porque como é  um estilo com muito volume e cores vibrantes pode saturar o ambiente.

Devemos ser cautelosos!!





As cores do Estilo Retrô
 Para lograr um estilo retrô se utilizam cores fortes combinando tonalidades de vermelho, laranja e diferentes variedades de amarelo, verde grama, azuis, contrastes de vermelho com preto, amarelo com preto e preto com branco. Estas são as cores características utilizadas nos anos 50, 60 e 70.
Até os eletrodomésticos se vestem de cores como a geladeira, telefone, televisão etc


Acessórios do Estilo Retrô
Outra característica do estilo vintage são os desenhos geométricos utilizado tanto nos tapetes, cortinas e tecidos dos sofás e poltronas, Estas linhas dão um toque de luminosidade e movimentos especial ao ambiente.

O segredo deste estilo é a mistura onde se combinam moderno, clássico, retrô, todos em um mesmo ambiente, mas claro, respeitando um balaço de cores.

Essa mistura de estilos reflete o ecletismo da decoração nos últimos tempos onde não se vê nenhum ambiente com um único estilo definido.

(http://www.assimquefaz.com)

Vida nova, casa nova...

Primeiro post do ano!!! Novo ano, NOVA CASA e muita coisa nova acontecendo!

Dias depois do último post, para ser mais precisa, 22/12 - Deus me presenteou com uma casa no bairro que sempre quis morar! Inclusive, meu primeiro projeto como designer de interiores, uma casa toda branquinha que eu "vintageei" conforme consegui.

Naturalmente não comprei móveis novos, mas assim que puder aos poucos vou vintagear mais ainda... Meu quarto já está mais um rockabilly urbano, tenho uma parede violeta, uma parede de quadros que fiz, até uns letterings... está cada vez mais a minha cara. Por fora também, tanto a minha cara, quanto a da minha mãe. O quarto dela está super fofo inclusive com uma parede verde kiwi.

Deus cuidou de cada detalhe, cada pessoa envolvida! Me apresentou um corretor, que, além de corretor, se tornou amigo da família e ele procurou muito uma casa para nós e Deus fez dele instrumento de Sua obra, tanto que, a ex proprietária pedia a Deus alguém pra comprar a casa dela e eu pedia uma casa para comprar!

Digo que ir trabalhar sem precisar pegar ônibus e poder ir ao centro da cidade andando são umas "banalidades" que me deixam super feliz!

Agora minha mãe pode fazer fisioterapia e estou correndo atrás disso. Sou oficialmente JCR (Juventude de Cristo Rei) e agora posso participar de tudo! \o/

Valeu a pena esperar o tempo de Deus! Ele cuidou de cada detalhe!

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Voltando a escrever

"Well, I never saw it coming
And I should've started running
A long, long time ago
And I never thought I'd doubt you
I'm better off without you
More than you, more than you know..." ♫ ♪

Quase 1 ano depois volto a escrever e só pra constar: amo mais ainda essa música! Me define muito!

A última vez que escrevi estava iniciando meu primeiro namoro que durou 9 meses apesar de todas as brigas! Tivemos momentos muito especiais, amei e fui correspondida pela primeira vez, escrevi minha primeira carta de amor... mas ele não confiava em mim! Procurava briga por bobeira e eu que não sou flor que se cheire, comprava a briga e prosseguia! Os pais dele são um encanto, assim como a parte da família que conheci, inclusive, ele também era um encanto, até a tarde do dia 14/10/2017.

Quebramos o pau feio, terminamos por telefone, nos ofendemos e perdemos o respeito, tudo isso por bobeira!! Maaaaas enfim, desejo do fundo do meu coração que ele esteja bem e que encontre "A" pessoa que Deus preparou para ele...

Finalizei Design de Interiores há uma semana! Correria alucinante, nada de vida social, nem para sair no intervalo! Mergulhei de cabeça, me irritei, muitas vezes carreguei meu grupo, ou melhor, tive de carregar ou me ferraria também! ._.' Graças a Deus não peguei exame nem de Projeto Integrado, mas também, me enfiei no CAD, tive de aprender na marra depois do esculacho da prof Maria Eugênia e Milena! T_T Aprendi muito, muito mesmo! Fiz alguns trabalhos que sonhava, fui de pirata e de Amy Winehouse pra facul, me diverti, ri litros com o pessoal da van, conheci pessoas maravilhosas e outras que pretendo manter distância na vida...

Fui na casa do meu pai no Carnaval junto à minha irmã do primeiro casamento dele: Elaine. Consegui perdoá-lo, obtive o meu perdão e ela também!

Resumindo: a cerca de 15 dias para o fim do ano digo, foi um ano de intenso aprendizado, lições, lágrimas e sorrisos... Valeu a pena, graças a Deus continua tudo bem!!!

Prometo que vou escrever mais! ^^

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A felicidade das "pequenas maravilhas"

A felicidade talvez seja isso que não sabemos definir muito bem, mas que todos procuramos ansiosamente. Às vezes até geramos um tremendo mal-estar pelas próprias exigências que nos impomos para encontrá-la, para sermos felizes aconteça o que acontecer.

Se você perguntar para alguém onde encontrar a felicidade, normalmente receberá respostas que fazem referência ao exterior, ao que se dissipa, ao está mais fora do nosso controle do que em nosso interior.

Mas o fato é que não é assim: nem a saúde, nem o dinheiro, nem o amor trazem felicidade, e crer que o seu estado de ânimo depende destas áreas da sua vida é um grande erro, que no fim o levará a ser ainda mais infeliz.





Onde costumamos buscar a felicidade?
Infelizmente nós inventamos uma infinidade de crenças irracionais. São exigências e necessidades que só estão nas nossas próprias mentes, mas que acreditamos serem verdades absolutas. Sentenças inquebráveis que precisam definir nossos caminhos. De fato, questioná-las pode nos causar a mesma vertigem que se aproximar de um penhasco íngreme.

Nós as assumimos como mandamentos, nos guiamos por elas, as tornamos nossas, e inclusive as defendemos mesmo que nos provoquem sofrimento.

Erroneamente acreditamos que se estas necessidades e exigências estiverem cobertas, encontraremos a felicidade, mas se não alcançarmos nossas expectativas, iremos nos sentir miseráveis. Exigências com as quais ninguém consegue lidar, muito menos nós mesmos.

Normalmente estas crenças fazem referência à aprovação dos outros, ao desempenho perfeito de si mesmo em alguma tarefa de relevância, ao dinheiro, à saúde, a ter um relacionamento amoroso estável e que funcione perfeitamente, a ser mãe, a ser alguém interessante e carismático, etc.

Realmente existem muitos tipos de crenças e cada pessoa tem as suas próprias, mas elas basicamente têm a ver com o acabamos de mencionar. “O trabalho dignifica”, “O seu arroz vai passar do ponto”, “O dinheiro traz felicidade”, “A saúde é a coisa mais importante que existe”…
Portanto, é ai que costumamos buscar a nossa felicidade, o que faz com que nos imponhamos expectativas pouco realistas e, no fim das contas, sejamos muito infelizes. De fato, as pesquisas confirmam que cada vez temos mais necessidades supridas e somos mais infelizes do que no ano anterior.

O que de fato é a felicidade?
Se cada vez possuímos mais e vivemos mais confortavelmente, com mais abundância, por que somos mais infelizes? O que está falhando?

O que está falhando é acreditarmos que as coisas externas nos farão felizes. É verdade que conseguir o trabalho dos seus sonhos, encontrar um parceiro que o ame, ou ter dinheiro dá um certo prazer, mas na verdade tudo isso é muito a curto prazo. E é prazer, o que não é felicidade.

O ser humano rapidamente se acostuma ao que tem e cada vez precisa de mais, de modo que não tem fim, não se conforma com tudo o que isto implica.

Quem não conhece pessoas multimilionárias que já roubaram? Será que elas não têm o suficiente? Quem não ouviu falar de alguém que se mata trabalhando apesar de poder trabalhar a metade para viver?

Quando percebemos que não somos felizes apesar de ter de tudo, achamos que a solução é mais disso que já temos: trabalhar mais horas, tentar ser mais atraente, fazer mais dinheiro, viajar mais, procurar um namorado desesperadamente… e consequentemente o tombo dói ainda mais.

O que essas pessoas não sabem é que a felicidade está neles mesmos, na sua atitude, em como decidem aproveitar a vida e em como funciona a sua escala de valores.
A felicidade está em como você aprecia e se diverte com o que você possui, seja pouco ou muito. Existem pessoas que têm muito pouco e são muito mais felizes do que aqueles que possuem mansões e grandes fortunas.

Não são poucos os exemplos de pessoas que têm de tudo e acabam se suicidando, depois de passarem uma vida inteira tomando todo tipo de medicamentos.

Se você quer ser feliz, comece apreciando tudo o que existe ao seu redor e parando de se queixar pelo que falta. É praticamente impossível que todas as áreas da sua vida estejam completas, mas isso não significa que você não possa ser feliz com o que tem nas mãos.

O cheiro de café nas manhãs, o riso da sua filha pequena, dançar uma bela música com seu companheiro no meio da sala, correr com seus cães atrás das borboletas, olhar as estrelas, uma boa conversa na praia enquanto a brisa atinge o seu rosto, abrir uma garrafa de vinho com um banho quente… Estas são pequenas coisas que certamente trazem felicidade, sabia?

(Fonte: amenteemaravilhosa.com.br)